Há mais na mistura da cor do que pode imaginar

A mistura de cor pode ser considerada um passo rápido e fácil mas, na realidade, este processo exige muita atenção e cuidado.

Os produtos de coloração de cabelos devem ser sempre preparados após uma análise ao cliente e com a devida consideração aos procedimentos de cuidados de cabelo. Por exemplo, aplicar cor em cabelos finos terá um efeito diferente do que aplicar a mesma cor num cabelo mais grosso. Se a mesma quantidade de tinta indicada para o cabelo normal for aplicada ao cabelo fino, o resultado final será uma sombra mais escura, uma vez que o mesmo número de pigmentos desenvolvidos concentrar-se-á numa área mais pequena.

Devem ser igualmente tidos em consideração outros aspectos únicos de um indivíduo, como a porosidade, percentagem de cabelos brancos no cabelo adulto, bem como as próprias expectativas do cliente acerca da cor final. A preparação exacta dos produtos de coloração é específica das marcas, no entanto existem orientações gerais comuns a todas.

Quando o peróxido de hidrogénio e um alcali (normalmente amónia) são misturados, desencadeia imediatamente uma reacção oxidativa; tanto as cores permanentes como semi-permanentes são oxidativas. Este processo tem um tempo de reacção limitado, logo é importante aplicar as cores recém-misturadas tão brevemente quanto possível. Ao não fazê-lo poderá fazer com que a cor pretendida não seja obtida devido a levantamento ou depósito insuficientes e desenvolvimento de pigmentos.

Cores à base de plantas
A hena e outros ingredientes com base em plantas devem ser misturados com água quente para criar uma pasta espessa que, uma vez aplicada, deve ser deixada actuar durante pelo menos uma hora, dependendo do tipo de cabelo.

Cores semi-permanentes

Estas estão preparadas para aplicação imediata. A mistura de cores é normalmente possível, uma vez que o processo não é oxidativo.

Cores demi-permanentes
As cores pertencem a um grupo de produtos que se encaixa entre a cor permanente e semi-permanente. As cores demi-permanentes contêm uma mistura de pigmentos directos desenvolvidos e para-tintas não desenvolvidas. Os precursores da tinta são oxidativos, por isso é necessário que reajam com o oxigénio para se desenvolverem. Por este motivo, as cores demi-permanentes têm de ser misturadas com uma solução baixa em peróxido de hidrogénio.

Uma vez que são utilizados precursores de tinta neste produto, deve ser realizado um teste à pele.

Cor permanente
As cores oxidativas permanentes não são prontas a usar e têm de ser misturadas com peróxido de hidrogénio, antes de serem aplicadas nos cabelos.

As cores oxidativas são sempre misturadas com peróxido, normalmente em quantidades iguais de peróxido e creme de cor. Os químicos devem ser sempre preparados numa taça que não seja metálica, uma vez que o metal reage negativamente com o peróxido. Misture com uma escova de aplicação de plástico ou semelhante e deixe de repouse por breves momentos de forma para que a solução estabilize.

A utilização de escalas é altamente recomendada, preferencialmente um modelo electrónico que permita que o utilizador reponha a leitura conforme vão sendo adicionados ingredientes à composição. Os clareadores são também misturados de forma idêntica, apesar de poderem ser à base de creme ou pó.

Os tubos de cor são frequentemente marcados para revelar a quantidade de químico que foi usado; porém, o peróxido de hidrogénio é fornecido em várias concentrações pré-misturadas permitindo um maior controlo sobre a intensidade de efeito nos cabelos. A concentração de peróxido de hidrogénio é medida por percentagem ou volume; por exemplo, 3% é equivalente a 10 volumes.

mais tags